A Igreja do Senhor do Bonfim é provavelmente a igreja mais famosa do Brasil. É lá que acontece a famosa festa do Senhor do Bonfim e a celebração da lavagem das escadarias, na segunda quinta-feira de janeiro, depois do Dia de Reis. Aqui a gente vê bem como os ritos católicos e afro-brasileiros se misturam de uma forma mística e culturalmente interessante em Salvador.

Enquanto a primeira cultua o Senhor do Bonfim como a representação do Cristo crucificado, no candomblé, ele é sincretizado com Oxalá. Ambas entidades sofreram e foram purificadas.

A Festa de Nosso Senhor do Bonfim é um marco da população da Bahia. Tão forte e intensamente presente na população, que ela até foi, em parte, trasladada para a África pelos , africanos que saíram da Bahia e retornaram ao Benin.

A igreja foi construída entre 1746 e 1754 para abrigar uma imagem do Senhor Bom Jesus do Bonfim, trazida de Lisboa em 1745. A arquitetura é em estilo neoclássico e a fachada tem traços de rococó. Segue a influência das igrejas portuguesas, com seus afrescos e azulejos. Na frente, os muros estão tomados de fitas coloridas, as fitas do Bonfim, que carregam os pedidos dos fiéis.